Novembro - 2017
STQQSSD
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930   

Email Newsletter icon, E-mail Newsletter icon, Email List icon, E-mail List icon Sign up for WTF Email Newsletter


» Matérias «


Regras para Competição Infantil

Marcus Rezende

Não vejo por que fazer um regulamento cheio de detalhes que em última análise não modifica em nada o cerne da questão. As regras de competição para crianças e pré-adolescentes não podem passar pela violência dos chutes. Isso precisa ser ponto pacífico. É preciso ter coragem para respeitar o que está no Estatuto da Infância e do Adolescente.
Art. 5° - Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão, aos seus direitos fundamentais.
Art. 17 - O direito ao respeito consiste na inviolabilidade da integridade física, psíquica e moral da criança e do adolescente, abrangendo a preservação da imagem, da identidade, da autonomia, dos valores, idéias e crenças, dos espaços e objetos pessoais.
Art. 18 - É dever de todos velar pela dignidade da criança e do adolescente, pondo-os a salvo de qualquer tratamento desumano, violento, aterrorizante, vexatório ou constrangedor.

Não é preciso ir mais longe no ECA. No respeito aos três artigos acima, de cara, as regras para competições de luta para praticantes até 13 anos, 11 meses e 29 dias, não podem contemplar negligência, violência e crueldade. Uma criança chutando com toda a força em um protetor de tronco ou mesmo as pernas, socando o protetor ou os braços, clavículas é um ato de violência (isso é claro). Deixar que crianças e adolescentes passem por essa situação, além de permitir que técnicos façam com que fiquem sem comer para passar na pesagem, é negligência. Deixar que uma criança com menos técnica que a outra passe por uma derrota acachapante esperando que os minutos passem e a luta termine, pois o técnico não vai jogar a toalha, tampouco o árbitro vai interromper a luta, é crueldade.
Todos sabemos que em todos os campeonatos de crianças de 6 a 13 anos, o exposto acima ocorre. E nada se faz.
Somente preservando o art.15 é que se pode não violar os artigos 17 e 18 do ECA.
Portanto, se a CBTKD não quer desrespeitar a LEI, deve esquecer tudo o que foi feito com praticantes dessas faixas etárias ao longo de todos esses anos de competições de categoria infantil e mirim.
A proposta para as regras de competição já foram feitas em 2002 e aplicadas em 2003 no Open Cidade Maravilhosa daquele ano.
Vou me ater ao que acho mais importante. Detalhes quanto a forma de arbitragem e tamanho da área de competição, pode ser regulamentado com mais calma. É algo que não vai causar nenhum impacto ao que exponho a seguir.

Primeiros pontos.
A competição para praticantes até os 13 anos, 11 meses e 29 dias só poderá contemplar o toque leve e técnico. Toda a movimentação de luta olímpica continua, as técnicas velozes também. O praticante terá que zelar pelo cuidado de não acertar o oponente com força. Isso é o que ele mais faz na academia. O praticante que chutar mais forte receberá uma penalização de um ponto. Muitos podem achar que o praticante com 13 anos já está pronto para a luta mais forte. Se assim fosse, a WTF contemplaria essa categoria de peso. O início do contato forte em competições, somente aos 14 anos.
Não haverá divisão de pesos. Crianças nessa idade não podem nem pensar em perder peso para ficar em alguma categoria. E todos sabemos que isso ocorre. Portanto, a divisão seria por gub e idade. A idéia (que pode até ser modificada, pois acaba não importando muito) grosso modo seria: 8º Gub / 6º a 5º Gub / 4º a 3º Gub / 2º a 1º GUB. Faixas pretas seguiriam o mesmo parâmetro. Consideração 1: Dificilmente haverá WO. No caso de crianças com idade de 6 a 8, ou mesmo abaixo de 10 anos. Consideração 2 a competição seria a mesma, mas todos os competidores receberiam medalha de ouro. Consideração 3: fim das filas intermináveis de crianças para a pesagem.
Buscando evitar o constrangimento de uma derrota acachapante no placar (art. 18 não exposição da criança ao tratamento vexatório e constrangedor), o placar eletrônico seria retirado, não importando se o resultado foi de 1x0 ou 10 x 0. Os oponentes não vão saber. A marcação ficará na mesa de controle, para eventual recurso.
A marcação por dois ou três juizes laterais será feita em papeletas e entregues ao árbitro central. A marcação é a mesma que ele já conhece. No momento da entrega das papeletas é importante se pensar na celeridade dessa movimentação, para que não se perca a velocidade na divulgação do resultado que se tem com o placar eletrônico.
O árbitro central é a figura mais importante para o sucesso da competição. É o grande responsável pela integridade física dos competidores. Ele é o mediador e precisa ter pulso firme para conter qualquer ato de violência.
Uma competição nos moldes sobreditos, seria também um respeito a própria WTF, pois a entidade internacional não se utiliza de categorias de peso para quem tem menos de 14 anos. E a CBTKD trabalha no campo desportivo no mesmo diapasão da Federação Mundial.
Seguindo os parâmetros acima, criar a formatação de detalhes quanto a sorteio, pesagem, tamanho da área de luta, duração do combate e disposições gerais, seria trabalho de segundo momento, para uma comissão que envolvesse a Diretoria Técnica da entidade.



 
BANG .:. Desde 1971 no Brasil .:. Tradição & Qualidade