Julho - 2018
STQQSSD
      1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031     



» Matérias «


Vias Energéticas no Taekwondo

Maicon Rodrigues Albuquerque                                Matheus Pinto Gomes 
Mestrando em Ciências do Esporte – UFMG                                     Graduado em Educação Física
Faixa Preta 1º Dan                                                                                 Faixa Preta 4º Dan

O Taekwondo, arte marcial coreana, tem sofrido algumas mudanças desde a sua inclusão nos Jogo de Sydney, 2000. A transformação desta arte marcial em um esporte de alto rendimento comprova esta afirmação (Albuquerque et al., 2008).
Esta mudança ocasionou um crescimento exponencial no número de praticantes (Kazemi et al., 2006) resultando em uma maior divulgação do Taekwondo pela mídia. Paralela a esta divulgação, observa-se nos últimos anos um aumento da produção científica dentro da modalidade, porém poucos pesquisadores brasileiros têm demonstrado interesse em investigar esta modalidade (Albuquerque et al. 2008). Além disso, poucos são os trabalhos que buscam elucidar as características da modalidade sejam elas: físicas, técnico-táticos ou psicológicos.
Dentre as diversas discussões informais promovidas em Minas Gerais sobre as vias energéticas predominantes nesta modalidade, percebese um consenso sobre a importância da capacidade anaeróbia. Porém, nestas discussões, a verdadeira relevância da capacidade aeróbia, ainda, parece ser desconhecida. Neste sentido, foi realizada uma busca por estudos focados nas vias energéticas da modalidade em periódicos científicos internacionais de grande impacto e foram encontrados quatro artigos.
Heller et al. (1998) estudaram 23 atletas de Taekwondo da Seleção Tcheca, com idades entre 16 e 23 anos,  com o objetivo de investigar os parâmetros antropométricos e fisiológicos para o sucesso competitivo. Os resultados encontrados indicam que os atletas apresentaram baixo percentual de gordura, capacidade anaeróbia e capacidade aeróbia elevadas, fortes e flexíveis; além disso, variáveis como a função pulmonar e o salto vertical apresentaram menor relevância.
Por sua vez, Markovic et al. (2005) estudaram 13 atletas da seleção Croata de Taekwondo do gênero feminino com o objetivo de determinar os perfis físico, psicológico e motor destas atletas, também comparando se existem diferenças entre os diferentes níveis de performance (Medalhistas X Não Medalhistas em grandes competições). Segundo os resultados encontrados, as atletas apresentaram baixo percentual de gordura, força máxima relativa e flexibilidade elevadas. Além disso, para os autores, uma alta capacidade aeróbia e, também, uma alta capacidade anaeróbia são de extrema importância para os atletas desta modalidade.
Bouhlel et al. (2006) estudaram 8 atletas do gênero masculino da seleção da Tunísia de Taekwondo com o objetivo de avaliar a resposta da Freqüência Cardíaca e das alterações da concentração de lactato durante atividades específicas da modalidade e em competições, verificando as suas correlações. De acordo com os resultados encontrados, os atletas de Taekwondo necessitam de altos níveis de capacidade aeróbia e de capacidade anaeróbia.
Lin et al. (2006) estudaram 18 atletas da seleção nacional de Taiwan com o objetivo de mensurar a capacidade anaeróbia destes atletas, os quais se preparavam para as Olimpíadas de 2004, incluindo os medalhistas de ouro e prata. De acordo com os resultados encontrados estes atletas apresentaram uma baixa capacidade anaeróbia e, provavelmente, compensaram este fato através de habilidade e experiência. No entanto, segundo os autores, futuramente não será possível compensar esta falha apenas com habilidade e experiência, tendo em vista o crescimento exponencial e contínuo da modalidade após a sua inclusão nas Olimpíadas. 
Por se tratar de uma atividade com ações anaeróbias fica clara a relevância de se desenvolver a capacidade anaeróbia dos praticantes. Contudo, também é importante frisar a necessidade da estruturação de um treinamento aeróbio bem fundamentado e planejado para o desenvolvimento de atletas de alto nível. Principalmente porque, apesar de, por enquanto, a experiência e as habilidades dos atletas permitirem que estes compensem suas deficiências físicas, para os pesquisadores, o crescimento da modalidade dificultará a ocorrência deste fato em futuro próximo.


REFERÊNCIAS

- Albuquerque, M., Costa, V.,  Samulski, D. & Noce, F. (2008). Avaliação do perfil motivacional dos atletas de alto rendimento do taekwondo brasileiro. Revista Iberoamericana de Psicología del Ejercicio y el Deporte, 3,  74‐94.
- Bouhlel, E., Jouini, A., N. Gmada, Nefzi, A., Ben Abdallah, K. & Z. Tabka, Z. (2006). Heart rate and blood lactate responses during Taekwondo training and competition. Science & Sports, 21(5), 285‐290.
- Heller, J., Peric, T., Dlouhá, R., Kohlíková, E., Melichna, J. & Nováková, H. (1998). Physiological profiles of male and female taekwon‐do (ITF) black belts. Journal of Sports Sciences, 16, 243‐249.
- Kazemi, M., Waalen, J., Morgan, C. & White, A. (2006). A profile of olympic taekwondo competitors. Journal of Sports Science and Medicine, 5, 11-121.
- Lin, W.‐L., Yen, K.‐T., Doris Lu, C.‐Y., Huang, Y.‐H. & Chang, C.‐K. (2006) Anaerobic capacity of elite Taiwanese Taekwondo athletes. Science & Sports, 21(5), 291‐293.
- Markovic, G., Misigoj‐Durakovic, M. & Trninic, S. (2005). Fitness profile of elite Croatian Taekwondo athletes. Collegium Antropologicum, 29 (1), 93‐99.



 
BANG .:. Desde 1971 no Brasil .:. Tradição & Qualidade